“UM METALEIRO TAMBÉM CHORA FEST” …o primeiro de muitos!

No passado dia 22 de Junho, realizou-se na Mealhada (Carqueijo), a primeira edição do festival “Um Metaleiro também chora Fest”.

O festival decorreu no parque Roda Moinas. Um parque pequeno mas confortável, e no meio da natureza. A infraestrutura já existente, e sob a alçada do moto clube local, possui tudo o que é necessário para que seja realizada uma primeira edição de um festival de metal.

O LOCAL…

Chegámos ao local por volta das 19h, e começamos logo por cumprimentar “meio mundo”, pois o Metal é isto mesmo… sentimos neste festival o tão famoso espírito metaleiro, onde todos se falavam e trocavam experiências acerca das novidades deste mundo tão underground.

Percorremos o espaço, e podemos observar algumas bancas com merchandising, uma zona destinada à restauração, e uma área destinada ao descanso. O palco era fixo, de cimento, onde a organização implementou apenas uma cobertura superior. O Backstage…esse não era muito famoso…era basicamente uma garagem sem portão, ao lado do palco. Queremos acreditar que este local iria ter sérios problemas para realizar um concerto da Madonna, pois a privacidade do backstage era nula.

Não estávamos perante uma organização espalhafatosa, com o recinto cheio de cartazes, barracas de cerveja, porco no espeto, comida vegan, balões, luzes, torres gigantes de som, miúdas nuas, anões e cavalos… era meramente uma organização humilde, esforçada, e composta por elementos que aparentavam serem daquela localidade.

De uma forma resumida, estávamos perante uma primeira edição de um festival, que apresentava um espaço e ambiente confortável…

AS BANDAS…

A noite começou com uma banda do “caralho“, BAD!, não pelo que assistimos pois ainda precisam de alguma “estrada” para que possam crescer e maturar o seu som, mas sim por serem oriundos das Caldas da Rainha. Trouxeram um RawCore, e uma vontade imensa de estarem em palco. Anunciaram ainda que estão prestes a entrar em estúdio para a gravação do seu primeiro álbum

A banda que se seguiu foram os aveirenses BOOBY TRAP com o seu energético Crossover. Ao contrário da banda anterior, o que não falta aos Booby Trap é estrada, e anos de experiência. Passearam-se com classe pelos temas dos seus álbuns, onde não pode faltar o seu famoso cover de Motorhead. Pedro Junqueiro, vocalista da banda é já uma marca no metal nacional, com a sua maneira muito própria de enfrentar o público e viver a sua música. A actuação também foi marcada pela excelente performance do guitarrista “Wild Bull”, onde complementa o espectáculo do Pedro com os seus solos de guitarra a roçar a perfeição.

Os INFRAKTOR, uma banda constituída por elementos de Aveiro e do Porto foram os senhores que se seguiram…e o que dizer acerca desta banda? Para nós é uma das melhores bandas nacionais, em todos os aspectos. Assistimos ao aparecimento deste projecto há uns anos atrás, e hoje vemos em cima do palco um projecto amador com classe de grandes profissionais. Desde as composições musicais, até ás suas actuações ao vivo, a banda apresenta-se capaz de animar as hostes em qualquer festival do mundo. Hugo, o seu vocalista, é para nós um elemento que ombreia com os melhores vocalistas de bandas internacionalmente reconhecidas. O homem domina o palco, e consegue exteriorizar toda aquela agonia musical, exorcizando-se, expulsando os seus próprios demónios, perante o seu público. As guitarras são poesias distorcidas da realidade, acompanhadas por um baixo “mandão”. Todo este cenário que estávamos a assistir no passado dia 22 de Junho, era acompanhado pela bateria frenética, onde o pedal duplo do Francisco fazia lembrar os palcos de guerra mais agressivos do mundo… É muita qualidade em cima de uma palco… Por estas e por outras é que a GuitarScream congratula a Amazing events por ter adicionado esta banda ao cartaz do Vagos Metal Fest 2019. Os INFRAKTOR têm tudo para serem felizes, neste mundo cruel do Metal Nacional… e para nós foram a banda da noite!

IN VEIN…quem não conhece esta banda? Quem não conhece os famosos cartazes numa das edições do Vagos Metal Fest, onde se pedia à organização a presença da banda em futura edição. E desde a sua presença no Vagos, nunca mais se parou de ouvir falar de IN VEIN. A banda que vem do Porto é pautada por tocar um Death/Groove Metal de forma exemplar, bem executado. Não são a banda mais energética, nem a banda mais espectacular em cima de um palco. No entanto estamos em condições de afirmar que são uma banda nacional que tocam de forma exemplar os seus temas. Em cima do palco deste festival não inventaram muito…entraram, tocaram, e tudo sai perfeito quando se assume a responsabilidade de estar perante um público… chamamos a isto profissionalismo.

ANALEPSY, vieram de Lisboa com o seu Slamming Brutal Death Metal … Foi aquela banda da noite que não necessitava de apresentação alguma. Entraram no recinto, subiram ao palco, actuaram, e mostraram o porquê de serem considerados uma das melhores bandas nacionais do género.

E a noite acabou com a alegria dos SERRABULHO… todos os que andam no mundo do metal sabem que esta banda é muito mais que um simples projecto de música. Eles trazem ao palco aquilo que é a alegria, a ironia, o machismo, o fado, o folclore do ser Português. Provenientes de Vila Real, eles mostram com os sons distorcidos do metal, como acabar uma noite de um festival como aquele.

QUEREMOS NOVA EDIÇÃO?

A bifana estava fenomenal, reencontrámos amigos, bebemos uns canecos, metemos a conversa em dia naquele espaço tão agradável! E ainda ouvimos boa música.

A organização está de parabéns. O METALEIRO TAMBÉM CHORA criou uma enorme responsabilidade, pois pede-se uma segunda edição. Há sempre pormenores a melhorar, como em tudo na vida. No entanto a primeira edição no nosso ponto de vista, quer da parte da afluência de público quer na restante parte organizativa, estão de parabéns.

E arriscamos dizer… ATÉ PARA O ANO!