UIVO BASTARDO lança “Clepsydra”…o som da raiva humana!

Uivo Bastardo é um projecto novo, oriundo de Lisboa, que lançou no passado mês de Maio o seu primeiro álbum intitulado “CLEPSYDRA”.

Recebemos o álbum e fizemos a escuta do mesmo, colocando o cd no carro, que usamos diariamente. Esta é uma escuta, a que chamamos “teste de exaustão”, pois queremos acreditar que um bom álbum perdura um bom período de tempo no nosso auto-rádio.

Tendo em conta que o CD, passado cerca de um mês, ainda continua a tocar no rádio, queremos acreditar e como primeira conclusão, que estamos perante um bom trabalho.

Aprofundando mais a nossa análise, ouvimos um álbum que apresenta várias coisas positivas. Destacamos em primeiro lugar o facto de ser cantado em Português, e com prosas e poesias requintadas, trazendo um pouco à tona a imagem da esquizofrenia humana.

O som do metal industrial é uma constante do álbum, que começa com um tema (De Profundis) que elegemos como o perfeito anfitrião aquando da escuta do restante trabalho. Um tema envolvente que nos dá as boas vindas ao mundo de UIVO BASTARDO.

Quem pensou a organização e construção deste álbum, acabou por conseguir criar mais que um simples “cd com músicas”… criou uma história que poderia perfeitamente pertencer ao episódios seguintes da saga “The Twilight”.

Estamos perante uma banda que começa a ser pensada em finais de 2017, que amadureceu ideias e conceitos para a construção da sua identidade, e apresenta em 2019 um álbum que estará certamente entre as revelações para o ano que decorre.

Não é fácil criar algo de novo ou inovar no mundo da música actual, onde tudo é “mecanizado e industrializado”, mas UIVO BASTARDO souberam encontrar as lacunas que se vêm verificando no metal nacional, e apostaram em lançar o desafio aos ouvintes de imaginarem uma bela história do lobo mau. São poucos os trabalhos que escutamos diariamente, que apresentam a capacidade de contar, ou levar-nos a imaginar uma história, que poderia ter sido escrita pelos Irmãos Grimm.

Musicalmente, é conforme referido anteriormente, um som industrial marcante, com sonoridades secundárias envolventes, serpenteando as músicas por cenários mais calmos, havendo de seguida a explosão para aquela raiva humana, que faz de nós o predador mais famoso das histórias de encantar, o Lobo!

Para terminar a nossa opinião, endereçamos os parabéns à banda pelo requinte e rigor com que construíram e produziram o seu primeiro álbum. Talvez esteja aqui o maior problema da banda UIVO BASTARDO e deste primeiro trabalho “Clepsydra”… fazer um segundo álbum com qualidade superior a este, não vai ser nada fácil.

O Cd da banda irá continuar no nosso auto-rádio, pois gostamos de expelir a raiva e a angústia que vai dentro de nós, através do som de UIVO BASTARDO…

Deixamos aqui a biografia da banda, solicitada aos mesmos.

Biografia da Banda

Uivo Bastardo é o culminar de uma antiga idealização que só encontra a sua verdadeira expressão em finais de 2017, altura que se dá a união de esforços entre Hélder Raposo e André Louro (ambos ex-Kronos) e David Jerónimo (Concealment).

As ideias e as estruturas embrionárias que existiam encontraram terreno fértil no trabalho de produção de David Jerónimo que desde cedo assumiu também o papel de baterista, ajudando assim a forjar uma sonoridade intensa, orgânica e visceral. A porosidade estilística em que a mesma se alicerça situa o som de Uivo Bastardo nas franjas do largo espectro do rock pesado e do metal, com apontamentos de roupagem electrónica e industrial e sempre vociferado em português. Em termos líricos o imaginário inscreve-se num registo de pessimismo existencial. Desencanto e misantropia são as coordenadas poéticas que dão combustível ao que é expelido com urgência.

A construção sonora dá-se durante 2018, período em que todos os temas foram produzidos, gravados e misturados no MalwareSoundStudios. Os baixos foram gravados por Dikk (ex-Witchbreed, The Bateleurs) e as guitarras por Miguel Camilo (MCSoundStudios). Numa fase posterior à gravação, juntaram-se a Hélder Raposo (voz), André Louro (teclados e programações) e David Jerónimo (bateria), os músicos Paulo Bretão (Collapse of Light) no baixo e João Tiago (Sunone) na guitarra. A masterização foi assegurada por Miguel Camilo no MCSoundStudios.

No início de 2019, a banda assinou contrato com a Etherealsoundworks para a edição do seu disco de estreia – Clepsydra -, cujo lançamento ocorrerá a 13 de Maio de 2019. Daí se construirá um percurso focado na disseminação dos ecos de um uivo que trilha agora um caminho que não se quer órfão, mas sim partilhado com todos aqueles que o saibam integrar e sentir.