DISTORTED FORCE, os deuses gregos que tocam Metal

Os Distorted Force são uma banda grega formada em 2008, e já com alguns bons trabalhos lançados, vindo a crescer e a conquistar o respeito pelo fãs do metal.

Com uma proposta diferente, juntando heavy metal, death e metal progressivo, lançaram em 2018 o seu álbum “Curves of Sidereal Cosmos”, e segundo eles próprios, trata-se de um álbum conceptual que dá sequência a uma história que vem se desdobrando desde o primeiro trabalho da banda.

Os mais de 11 minutos de “Barrows of Doom”, tema que abre o disco, é uma mistura de sons diferentes, já deixando bem clara a proposta de diversidade musical que a banda quer apresentar. Com uma mescla de  partes lentas, forte uso de teclados, e mudanças bruscas, a música ganha peso e rapidez. Instrumentos individualmente muito bem colocados na música, fazem de “Barrows of Doom” um óptimo cartão de visitas.

Nos restantes temas do álbum, os Distorted Force fazem uso de vocais líricos e guturais postados de forma muito natural pelo vocalista Spiros Emmanouilidis. Vale a pena destacar também os óptimos grooves pesados, além dos trabalhos de guitarra de Nikos Felekis e Nick Hatjigogos, que criam uma harmonia musical muito interessante, diante do desafio de integração de estilos musicais diversificados.

Destaque também para o tema “Raven”, com pouco mais de 20 minutos, tendo sido inspirado no poema de Edgar Allan Poe. A música por si só já é uma jornada. Abre de uma forma dramática, alterna entre o pesado e lento transitando com uma facilidade assustadora pelo death e pelo metal progressivo.

Numa entrevista dada pela própria banda  fica claro que em “Curves of Sidereal Cosmos” a intenção era justamente essa: “Nós não gostamos de nos impor limites musicalmente. Tentamos manter a mente e os ouvidos abertos.  Então, não nos importa qual estilo ou subgénero de metal que melhor se adapta para uma música… nós vamos em frente”.

“Curves of Sidereal Cosmos” é um disco fascinante, poderoso, autêntico e muito bem trabalhado. Uma grata surpresa que merece uma atenção especial. Certamente uma banda  que abre um caminho para um nível diferente e interessante de composição e canções.