DEMONS & WIZARDS relançam álbum com o mesmo nome

O Demons & Wizards, é um ótimo projeto de metal constituído pelo vocalista dos Blind Guardian, Hansi Kürsch, e do guitarrista e líder da banda Iced Earth, Jon Shaffer.

Eles começaram este projeto no final dos anos 90 onde lançaram o seu primeiro álbum, o homônimo, “Demons & Wizards”. Em 2005 veio o segundo trabalho,  “Touched by the Crimson King”.

Porém, a banda esteve inativa desde 2009, e raras eram as notícias da mesma, não passando de menções singelas em entrevistas.

Em 2017, Jon Shafferdisse numa entrevista afirmou que estaria a trabalhar com Hansi Kürsch para um possível novo álbum do projeto, mas nada mais havia sido dito desde então.

Mas agora talvez este novo trabalho esteja finalmente prestes a se concretizar, visto que a banda esteve em estúdio e irá promover concertos pelos Estados Unidos, além de confirmar presença no Wacken 2019, no Rock Fest de Barcelona e mais algumas cidades da Europa.

As notícias são boas, os fãs ganharam também um presente este ano, tendo sido relançados recentemente os dois primeiros álbuns da banda.

Vamos falar um pouco sobre o que talvez seja o maior clássico da banda, o álbum “Demons & Wizards”, trabalho de apresentação da banda, que para além de Hansi e Jon, contava também com Jim Morris na guitarra e Mark Prator na bateria.

O álbum começa com a faixa “Rites of Passage” que dá uma introdução ao disco, onde o fã do projeto será recebido com guitarras rítmicas.

“Heaven Denies” é uma música rápida que tem uma linha de baixo avassaladora, especialmente perceptível no final da música.

Em “Poor Man’s Crusade”, temos uma faixa cheia de energia, marca registada de Jon, com uma óptima guitarra, onde ele mostra tudo o que sabe.

“Fiddler On The Green” é talvez a música mais bonita do álbum. Hansi mostra mais uma vez como é clara e única a sua voz. Uma linda balada, que depois aumenta o tempo da música, transformando-se numa canção feita engenhosamente, sendo o destaque deste álbum.

“Blood On My Hands” é uma canção bombástica, de alta velocidade, com um ritmo enorme e guitarras fortes, os backing vocals apoiam Hansi no seu forte desempenho.

“Path Of Glory”,  deixa as coisas um pouco mais calmas, a maior parte da melodia é acompanhada por um som de guitarra atmosférica e alguns efeitos, há um coro e até o final, um extremo balanço com riffs agradáveis de se ouvir.

Um alto número de guitarras rítmicas e riffs rápidos dão tom a “Winter Of Souls”. Destaque para os backing vocals que atuam em conjunto com a voz principal e que faz tudo soar muito bem.

“The Whistler” é outra canção que começa lentamente, ganha cadência e ritmo, à medida que o tempo passa.

“Tear Down The Wall” é uma faixa com ritmo em constante mudança. O impulso lento, mas continuo, faz dela um digno clássico, com um refrão emocionante.

“Gallows Pole” começa com um terrível som de sintetizador que ao meu ver apaga um pouco a voz de Hansi. Mas o fã será compensado segundos depois por riffs duros, pesados e esmagadores.

“My Last Sunrise” segue um conceito similar como o antecessor, e alterna mais frequentemente entre o suave acompanhamento de guitarra, e os riffs mais pesados. A voz de Hansi não apresenta tanta agressividade neste tema, quanto no restante álbum.

Finalizando álbum, a banda apresenta ainda uma boa surpresa com a faixa “Chant”, um suave coro para acalmar os sentidos.

O relançamento desse álbum, além de contar com toda remasterizaçao das músicas, também nos oferece a faixa “The Whistler” numa versão alternativa e a música “Heaven Denies” numa versão demo.

É um álbum com efeitos em praticamente todas as  músicas, bombástico, com riffs duros e bateria forte.

Talvez alguns fãs dos Blind Guardian e dos Iced Earth fiquem desapontados, já que é muito mais tranquilo escutar um trabalho dos Demons & Wizards do que os álbuns individuais das duas bandas.

No entanto não há surpresas neste relançamento, tudo soa meio familiar, e temos sim um óptimo trabalho.

Vamos aguardar novas notícias sobre a banda, que para além da tour que começa agora em Junho, haja a novidade de lançamento de um novo trabalho, que tanto aguardamos.