André Matos – O grande vocalista de Metal brasileiro morreu.

A comunidade metálica ou metaleira do Brasil está de luto pelo maior representante do Metal Melódico/Erudito nacional e depois de Max Cavalera, o mais importante icon do metal neste país. André Matos, que é o fundador dos Angra, Shaman e tem uma extensa carreira solo com parcerias, tais como Avantasia, morreu ontem dia 8 de junho, com um enfarte do miocardio.

André Matos começou ainda jovem nos Viper, formados com Cassio Audi, Felipe Machado, os irmãos Passarello. Mas ele já era um pianista na infância, e na adolescência chegou a ir com a sua mãe no primeiro Rock in Rio (1985).

O primeiro trabalho dos Viper foi a Demo The Killera Sword, e então ao conhecer Antônio Celso Barbieri, tiveram a oportunidade e até mesmo de ficarem conhecidos como uma “boys band” do Metal”.

Entretanto, foi com a sugestão da Rock Brigade que eles lançaram Soldiers of Sunrise, e que chegaram mesma a abrir para os eternos Motorhead. Em seguida, lançaram o álbum Theatre of Fate

Nos anos 90André Matos dedicou-se ao estudos de Regência na Universidade Santa Marcelina e Canto na USP, ambos em São Paulo. Nos mesmos anos 90, muita coisa acontece e até mesmo surge o convite para concorrer a substituto de Bruce Dickinson nos Iron Maiden.

Mas sua maior realização é na universidade, onde conhece Rafael Bittencourt com quem partilhava as mesmas ideias e gostos musicais.

A CRIAÇÃO DOS ANGRA:

Metal e Piano – O Nascimento do Metal Melódico Brasileiro

Por acaso, é mesmo de total responsabilidade da Rock Brigade a criação dos ANGRA. Eis que durante os anos 90.

Já com fama no estrangeiro, desde os tempos dos ViperANGRA vende 106 mil cópias do álbum ANGELS CRY (1993) apenas no JAPÃO, criando uma nova fase de esplendor e uma nova oportunidade de carreira para o André. Foi então que em 1994, estavam no palco do Monsters of Rock. E assim nasceu o impressionante HOLY LAND (1996)- e o FIREWORKS (1998). – Foram mais de 1 milhão de CDs vendidos.

Os anos 2000 chegaram diferentes. Depois de atritos e não concordâncias com o produtor Antônio Pirani, André criou os SHAMAN com os irmãos Mariutti e Ricardo Confessori.

Depois vieram convites e parcerias com Sasha Paethe Tobias Sammets (Avantasia) e vários outros…Também virou tema de novela brasileira a música Fairy Tail, do disco Ritual. 

A delicadeza do Metal Melódico atravessou as paredes do mundo da música pesada, e eles ficaram conhecidos fora do universo do METAL.

O ano de 2003 chegou com o DVD Ritual Alive, e depois em 2005 lançou o REASON, sendo do agrado dos fãs.

A partir daí a banda começa a ter problemas, e em 2006 foi-se dissolvendo, e ficou apenas Ricardo Confessori. Começam a surgir os projetos a solo de André.

Os discos a solo são: Time to be free, Mentalize, The turn of the lights.

André também participa noutros projetos como uma opera rock chamada Tommy.

A sua vida pessoal começa a tornar-se tão importante quanto a profissional, e a sua nova família sueca (esposa e filho), também começam a fazer parte da sua vida quotidiana.

Enquanto o mundo virtual crescia, André distanciava-se dos meios modernos de comunicação. Tradicional e altamente discreto, André levou a sua vida com projetos, sonhos, tal como o projeto Symphonia, que infelizmente não foi para frente. Depois disso houve o aniversário dos Viper e do CD Angels Cry (Angra).

Neste momento da sua vida, André tinha planos de reunir os ex-membros da banda Angra, assim como fez o ano passado com os Shaman. Infelizmente, este sonho não aconteceu.

André Matos, que morava na Suécia com sua família, estava no Brasil para participar em concertos dos Avantasia, e foi socorrido com arritmia, convulsões, tendo morrido de enfarte do coração, segundo fontes próximas do artistas.

Tinha 47 anos, era vegetariano e protetor de animais, mas o seu maior projecto de vida era ser um excepcional Maestro e artista de grande respeito por todos, no seu país.