STEVE HACKETT, conheça o novo álbum do guitarrista Ex-Genesis

“AT THE EDGE OF LIGHT”CONHEÇA O NOVO ÁLBUM DE STEVE HACKETT, PELA INSIDE OUT

Por: Sascha Haverstreng

Steve Hackett (Ex- Genesis) fez questão de inovar, a lançar o seu novo álbum em vários formatos. É possível encontra-los tal como o clássico “Media Book” (Cd + DVD bônus –  com os bastidores das gravações do álbum) e até mesmo em versão para Download, para quem dispensa a obra na versão física. Quem gosta de algo mais refinado, pode adquirir o CD numa caixa “pack”, perfeito para oferecer.

Outra novidade é a versão disco de vinil em alta qualidade (180gr), com apresentação no tradicional “vinil preto”, e para quem é menos conservador, a INSIDE OUT lançou prensagens exclusivas em vinil transparente, branco, vermelho e até mesmo em azul; motivo de alegria e desespero para os coleccionadores e fãs do trabalho de Steve Hackett.

Mas o que achei do álbum?

Steve é o compositor principal, mas compartilha  este trabalho com a sua esposa, Jo Lehmann e o músico Roger King. Na parte instrumental, o trabalho de Hackett é “brutal” e leva-nos a uma viagem musical com o uso de Cítaras, Violinos, Flautas e outros instrumentos diversos, além dos elementos tradicionais do rock.

  • Fallen Walls and Pedestals”, abre o álbum com um instrumental curto, um lindo e clássico solo de guitarra em tons pesados e escuros, onde identificamos a personalidade da obra de Hackett.
  • Beast in Our Time” possui vocais suaves e instrumentos de orquestra. O solo de guitarra junto às notas de saxofone, mantém a mesma personalidade sonora “pesada” do início do álbum.
  • Under The Eye of The Sun” tem um som mais jovial, harmonia completa, e para além disso, baixo e guitarra sincronizados.
  • Underground Railroad” inicia-se com um forte apelo “soul” nos vocais e nos instrumentos, e em seguida surpreende-nos com uma explosão de solos de guitarras. A partir desta faixa, a obra de Hackett ramifica-se, deixando evidente a sua qualidade e versatilidade.
  • Those Golden Wings” é uma obra prima, onde seus mais de 11 minutos de execução parecem ser insuficientes. Inicia-se com guitarras acústicas, que soam como “harpas”. Também possui uma linha de vocais atraentes e solos limpos de guitarra. Uma música linear, com um impressionante senso orquestral, a fazer com que no decorrer da sua execução, perceba-se “nuances” que sempre voltam à sua linha central.
  • Shadow and Flames” é uma canção tensa, nos traz a sensação de que algo grande está para vir. Tem uma musicalidade com influências do médio oriente com a incorporação de Cítaras. É uma batida constante e pesada.
  • Hungry Years” faz-nos recordar um clássico progressivo dos anos 70, com guitarras lúdicas e uma harmonia vocal brilhante. Parece-nos que Steve volta aqui às suas origens.
  • Descent” estamos presentes de notas sinistras e marcantes, com a sensação de estarmos na tropa, a marchar para uma guerra.
  • As últimas são “Conflict” e “Peace”. E esta última revela-nos tranquilidade e fecha a obra com notas suaves, arranjos de piano, uma merecida justaposição nas duas faixas anteriores.

At The Edge of Light

Ao escutar “At The Edge of Light”, temos a certeza de que cada música foi planeada para ter seu devido lugar, cada uma com seu estilo, apresentando um conjunto variado de canções que por vezes apresentam-se “mais duras e sinistras”, por vezes tranquilas e melódicas.

2018 © Tina Korhonen/ www.tina-k.com

Para finalizar esta análise, não devemos imaginar ou se quer supor, que Hackett está a plagiar algo, da sua época na banda Genesis. A verdade é que este álbum é original.

É possível descrevê-lo como corajoso e criativo, e apresenta-nos uma bela obra que merece a sua especial atenção.