CRADLE OF FILTH em Portugal, no Vagos Metal Fest 2018

A organização do Vagos Metal Fest 2018 anunciou hoje, que os CRADLE OF FILTH estarão presentes no festival. Esta banda foi a segunda a ser anunciada, sendo a banda portuguesa IN VEIN a primeira.

Abaixo apresentamos um pouco do historial desta banda inglesa, com tantos fãs em Portugal, que certamente estarão felizes, e a fazer contas e poupanças, para no próximo anos estarem presentes em Vagos.

Um passado atribulado…

Daniel Davey ou ‘Dani Filth’, em meio aos seus anos de colegiais, tinha interesse pela cena heavy metal e influenciou-se ouvindo bandas como Black Sabbath , Emperor, Venom , Slayer e principalmente Iron Maiden, e quando terminou seus estudos no fim de 1991, formou o Cradle of Filth.

A formação inicial era de Dani (vocais), John (baixista), Darren (bateria), Robin (guitarras), Paul Ryan (guitarras) e Ben Ryan (teclados). Em 1992 nasce a primeira demo, Invoking the Unclean. Devido aos fracos desempenhos de Robin como guitarrista, ele deixa a banda. Orgiastic Pleasures foi a segunda demo gravada em 1993. Esta teve mais sucesso que a primeira e resultou ao Cradle of Filth numa proposta de contrato com a gravadora Tombstone Records. Contudo, devido a certos problemas com a banda, foi deixado de se assinar o contrato com a saída de John para dedicar a sua carreira. Robin, ex-guitarrista, então junta-se agora como baixista dos Cradle, e a terceira demo, Total Fucking Darkness é gravada.

Sarah Jezebel Deva entrou na banda em 1996. Saiu em 2009

Em 1994, Cradle of Filth assinou com uma gravadora independente, Cacophonous Records, com a qual gravaram seu primeiro álbum, The Principle of Evil Made Flesh. Este foi lançado em abril de 1994 e vendido 32.000 cópias inicialmente. No encarte do álbum, a banda usa nomes artísticos, como “Nocturnal Pulse” para Robin e “Dark Immortall Scream” para Dani. Assim como as bandas mais antigas do estilo, eles vestiam-se e pintavam-se de uma forma característica, com um forte apelo gótico. Mas as letras eram um pouco diferentes: em vez de explorar temas como vikings e ocultismo, os temas preferidos do letrista Dani são vampiros e a lenda de Elizabeth Bathory (que teria sido uma aristocrata europeia do século XVI que torturava e matava seus criados, acreditando que ao beber o sangue destes, conservaria sua beleza ao longo da eternidade).

Baterista Martin Škaroupka substituiu Adrian Erlandsson para a gravação Godspeed on the Devil’s Thunder.

Em 2002, o Cradle of Filth assina com a sua nova gravadora Sony. No mês de maio, a banda participa do Ozzfest-UK ao lado dos grupos Slayer, Ozzy Osbourne, Tool e System of a Down. No decorrer do ano, é lançado pela sua ex-gravadora Music for Nations um Best Of duplo, Lovecraft and Witch Hearts, contendo 24 faixas das épocas: Dusk… and Her EmbraceCruelty and the BeastFrom the Cradle to Enslave e Midian, além de faixas que foram lançadas somente em edições limitadas. Em agosto, é lançado na Inglaterra também o primeiro álbum ao vivo, Live Bait for the Dead, gravado no Nottignham Rock City no dia 14 de abril de 2001 e contendo ainda mais algumas músicas regravadas e remixadas da banda. No mesmo mês, o guitarrista Gian Pyres, depois de ter ficado no grupo por 6 anos, deixa-o alegando que não estava passando muito tempo com sua família.

Em março de 2003, a banda lança seu quinto álbum, Damnation and a Day, trabalho conceitual que fala sobre a criação dos anjos até a ascensão do diabo frente a Deus. No mesmo ano abriram alguns shows do Iron Maiden na Europa. Logo em seguida, a banda saiu em turnê pela Europa e América do Norte e também participou novamente do OzzFest.

Ainda no mesmo ano, o vocalista Dani Filth empresta sua voz ao desenho animado Dominator. O filme ainda conta com Doug Bradley, Mark & Lard e a música “Carrion”, do último álbum. E, para terminar o ano, um clip para a música “Mannequin” foi lançado.

…com este passado, chegam a 2017 com o lançamento do álbum ” Cryptoriana – The Seductiveness of Decay”, e com a actuação em Vagos, no maior festival de metal em Portugal.