Construtor de guitarras dos Led Zeppelin vive em Portugal

Andy Manson, inglês que construiu guitarras para John Paul Jones e Jimmy Page, dos Led Zeppelin, fixou-se em Mortágua. No meio rural, encontrou inspiração para continuar a fazer guitarras, um trabalho que tem tanto de poético como de frustrante.

Numa pequena aldeia do também pequeno concelho de Mortágua, no distrito de Viseu, Andy Manson está de volta das suas guitarras acústicas num ateliê repleto de instrumentos feitos e por fazer, onde o cheiro da madeira se mistura com o da cola.

“Pôr a madeira a falar” é o que o inglês de 67 anos faz desde os anos 1960, altura em que criou a sua primeira guitarra, primitiva e feita com os materiais que tinha à mão.

Desde essa, passaram pelas suas mãos mais de mil e afirmou-se como um luthier – nome dado aos construtores de guitarras – de renome internacional, que em 50 anos de carreira já teve como clientes os Led Zeppelin, The Police, o líder dos Jethro Tull, Ian Anderson, Josh Homme, dos Queens of the Stone Age, ou Tori Amos.

Mike Oldfield, que usou um dos instrumentos de Andy Manson no álbum Hergest Ridge, garantiu que “era a melhor guitarra onde tinha tocado”, conta o luthier inglês.

Em 2010, Andy Manson cumpriu o sonho de se mudar para o sul da Europa – por ser mais quente e por gostar da ideia de ter “oliveiras a crescer” à volta da sua casa.

Decidiu-se por uma casa numa aldeia de Mortágua, que considera que “é um bom lugar para fazer guitarras”. E um bom lugar para um luthier é um lugar “calmo, pacífico e sossegado”.

“Eu gosto realmente do que vejo à volta. Há algo forte e natural na forma como as pessoas vivem aqui”, disse à agência Lusa Andy, que até já se aventurou na criação de uma viola e de uma guitarra portuguesas.

Apesar de, por um lado, se sentir “isolado social e culturalmente”, neste lugar consegue “respirar”.

Quando se dedicou à construção das guitarras, teve como primeira grande oportunidade conhecer John Paul Jones, dos Led Zeppelin.

Depois de alguns trabalhos de reparação, Andy constatou que o multinstrumentalista da banda britânica tinha de utilizar, por vezes, uma guitarra de seis cordas, outra de doze e um bandolim na mesma canção, em concertos acústicos.

Acabou a fazer uma guitarra com três braços, que juntava esses três instrumentos, para facilitar a vida do músico.

“O John Paul Jones ficou louco pela guitarra e disse: ‘Mal posso esperar por ver a cara do Jimmy [Page], quando entrar no palco com isto’. Isto porque o Jimmy tinha uma double-neck [braço duplo] “, diz.

Face à mestria e fama que foi ganhando, as suas criações começam nos seis mil euros e centra o seu trabalho em guitarras acústicas, bandolins e bandoloncelos.

No final de cada instrumento, assegura, não há um sentimento de orgulho. “É mais o sentimento de frustração de que não é tão bom como eu gostaria. Porque ao fim de cada guitarra, há sempre um salto. Aprendo sempre mais do que aquilo que sabia quando comecei”, explica, considerando que as diferenças são “subtis” – afinações de ouvidos e mãos que detetam pequenas melhorias.

“Para mim, há mais do que o produto final. [Construir guitarras] é uma forma de vida, um modo de estar”, explica Andy Manson, que considera que a venda é uma coisa separada da criação.

A construção “é uma cerimónia, um ritual e uma alegria por si só”, que demora, pelo menos, um mês.

“Há um sentido poético nisto. Não há regras. Não há certo ou errado. Há muita ciência, física e matemática que se pode aplicar, mas, no fim, o que interessa é se soa bem” para quem a vai tocar, conta.

 

FONTE: DN

SITE: www.andymanson.com

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *